Parte fundamental da revolução na infraestrutura de transportes, o setor portuário brasileiro tem reduzido custos logísticos e ajudado a aumentar a competividade das empresas nacionais no exterior. Esta foi a principal mensagem levada pela delegação do Brasil no 29º Congresso Latino-americano de Portos, organizado pela Associação Americana de Autoridades Portuárias (Aapa).

Na edição deste ano, diversas autoridades portuárias fizeram parte da comitiva brasileira, o que ampliou a visibilidade do país no mundo portuário global. Entre 2019 e 2021, foram contratados mais de R$ 14 bilhões para investimentos em 33 terminais e em outros 106 terminais de uso privado (TUPs).

Os investimentos continuam nos próximos anos, com as desestatizações da CODESA e dos portos de Itajaí (SC) e Santos (SP). “Há um esforço muito grande do setor portuário para que haja uma modernização da gestão”, afirmou o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários do Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni.

Presidência

Na reunião em Cartagena, a chefe de gabinete da Secretaria Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Rita de Cássia Vandanezi Munck, assumiu a presidência da delegação latino-americana da Aapa pelos próximos dois anos. Um dos compromissos é receber, em 2022, o próximo congresso da associação, que vai ocorrer em Santos.

“O congresso Latino-americano da Aapa representa uma oportunidade singular para apresentação do desenvolvimento do setor portuário brasileiro, assim como sua importante influência no hemisfério ocidental”, completou Piloni.

A comitiva brasileira é comandada pelo secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Diogo Piloni, e conta com a presença de outras autoridades federais. Pela CODESA, estão o presidente, Júlio Castiglioni; a coordenadora de Marketing e Gestão de Negócios, Raquel Guimarães e o superintendente Anderson Polido. 

FONTE: Assessoria Especial de Comunicação Ministério da Infraestrutura

Coordenação de Comunicação da CODESA

Galeria